sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Perdida entre os caminhos incertos na estrada da vida, a pequena garota se sentia sozinha em meio à multidão.
Sabia que havia um buraco, faltava matéria pra compor a substância de seu coração.

Ela vagava sem rumo e sem interesse em qualquer aspecto da vida alheia
Em seu peito, sabia que faltava uma faísca, uma centelha
Para reacender aquele sentimento que ela há muito havia esquecido
E por não se interessar por mais ninguém, julgava ser caso perdido.
A luz no fim do túnel era disforme e dispersa
Era um brilho inalcançável, então a pequena garota andava sem pressa.

Até que em um dia qualquer, sem nenhuma expectativa de mudança
A pequena garota encontra o grande rapaz, e em seu peito brota uma esperança
Aos poucos, os dois foram se chegando e se deixando conhecer
E entre tantas semelhanças, havia em ambos o encanto pelo anoitecer
A luz no fim do túnel foi ganhando forma e adquirindo um brilho característico
Havia um encanto acolhedor, um certo fulgor místico

Quando uma solidão encontra a outra, atenua a incerteza
O vento frio e a noite escura revelam a sua beleza
Beleza essa que meus olhos não serão capazes de esquecer
E quando o dia chega ao fim, tua lembrança vem me acometer.

Um comentário:

  1. Seus textos são ótimos.Parabéns! Um abraço.

    ResponderExcluir