sexta-feira, 31 de maio de 2013

Avenida Amaro George

Bob passava as noites em claro. Desde o dia em que fora assaltado às 16 horas da tarde em plena Avenida Amaro George, nunca mais teve sossego.
Retraçava aquela tarde em sua memória inúmeras vezes. Relembrava todos os seus passos e todos os locais que havia frequentado, remontado o curso daquele dia de diversas formas e imaginando-se não passando naquela avenida naquele momento e voltando para casa em paz, comendo amendoins torrados. E quanto mais se lembrava daquele dia, sentia um aperto no coração um tanto mais profundo.
Trancando em seu quarto (simplesmente não admitia mais a ideia de permanecer em um cômodo de sua casa com a porta aberta), Bob se olhou no espelho. Viu refletido um homem com ares de exausto, olheiras pretas abaixo dos olhos amassados e cabelo sujo desarrumado. Com trinta e cinco anos aparentava ter cinquenta. Olhou para o lado e vislumbrou sua escrivaninha com um porta-retratos em cima.  Bob estava um homem completamente diferente daquele que sorria na foto ao lado de sua bela esposa, com uma criança a tiracolo.
Então Bob começou a lembrar-se de como sua vida havia mudado completamente nos últimos doze meses, desde o dia do assalto. Havia ficado carrancudo, mal-humorado e praticamente mudo. Não se interessava mais por nada. A única coisa que ocupava seus pensamentos era a retomada mental daquele dia infeliz, que o havia traumatizado de tal forma que ele não só perdeu a carteira e o celular, mas também o emprego, amigos, e até mesmo esposa e filho. Ninguém mais suportava ficar perto dele, ou ele não mais suportava ficar perto de alguém.
Abriu a segunda gaveta da escrivaninha e tirou de dentro uma arma. Era um revolver calibre .38 Special que havia comprado três semanas após o assalto,  obcecado pelo medo de se sentir vulnerável outra vez nas mãos de um agressor.  “É apenas um mecanismo de defesa, Jaque” justificava ele para sua esposa ao observar que ela quase teve um ataque do coração ao vê-lo chegando em casa com sua nova aquisição. “Eu não vou atirar em ninguém, é só para intimidar o filho-da-mãe”. Ele sempre se lembrava desse momento, uma vez que a compra da arma foi o estopim para sua esposa sair de casa.
Posicionou o revolver entre a calça e perna. Abotoou a camisa e saiu de casa. Tinha que sacar um dinheiro no banco. Andou até o ponto de ônibus e esperou o seu passar.

Timóteo havia dormido pessimamente mal aquela noite, revirando-se e virando-se em cama, quando seu relógio de cabeceira o despertou. Era o grande dia!
O rapaz de vinte e dois anos, carecido de dinheiro para alimentar seus vícios, tinha combinado com mais um colega fazer um “arrastão” naquele dia. Roubar dos transeuntes de um local fechado e em movimento. Nada poderia ser mais ideal do que um ônibus.
Timóteo estava preocupado. Diria desesperado. Não era de sua índole roubar algo de alguém, mas sua situação pessoal de dívidas e ameaças de morte o deixavam mais desesperado ainda. “Não vou machucar ninguém. Só levar deles aquilo que me faz falta. Tenho certeza de que eles conseguirão comprar seus bens de novo”. Repetia ele a todo o momento, como forma de se estimular.
Vestiu uma roupa preta, tomou um gole de café com leite o fumou um cigarro. Armou-se com uma faca (era tudo o que tinha), e saiu batendo a porta atrás de si.
Encontrou com seu colega próximo a uma banca de revista, local marcado por eles na noite anterior. Combinaram os últimos detalhes e partiram em direção ao ponto de ônibus mais próximo, que ficava na Av. Amaro George.
Enquanto caminhava até o ponto, Timóteo pensava o tempo todo em desistir. Mordia o lábio inferior tão forte por conta do nervosismo que logo começou a sentir um azedo gosto de sangue. Precisou fumar outro cigarro para se acalmar, mas o efeito esperado não aconteceu.
Ao chegarem ao ponto não precisaram esperar nem meio minuto e um ônibus apareceu. Timóteo olhou para seu comparsa, como que esperando que ele desistisse e os dois voltassem para casa comendo amendoins torrados, mas ele simplesmente balançou positivamente a cabeça. Fizeram sinal para o ônibus parar e então entraram.
Timóteo teria deixado tudo isso de lado e sentado em um banco qualquer, se seu colega não houvesse tomado a iniciativa de anunciar o assalto para todo o ônibus.
“Ouçam todos, isso aqui é um assalto” ele gritou. “Não precisam ficar nervosos, apenas quero que me passem tudo o que tiverem com vocês. Inclusive você”  ele falou enquanto olhava para o cobrador e apontava para a caixa de dinheiro, e nesse momento mostrou uma pistola (que os passageiros não imaginavam, mas era de brinquedo).
Virou-se para Timóteo e falou: "Enquanto eu pego esse daqui (referindo-se ao cobrador) tu vai e rouba esses que tão sentados aqui na frente".
Ao pular a catraca, Timóteo caiu duro no piso do ônibus.
Alguns passageiros gritaram ao verem que uma poça de sangue aos poucos se alongava em torno dele.
Ao ver o ocorrido, o comparsa encostou a pistola na testa do motorista e ordenou-o a parar o ônibus. Desceu correndo.
Acontece que sentado no primeiro banco do ônibus estava ninguém menos que Bob, que não pensou duas vezes e cravou uma bala no peito do “filho-da-mãe”. Sua reação foi como um reflexo. Ele simplesmente fez.

Pobre Timóteo, que não pretendia machucar ninguém mas foi morto violentamente e agora pagaria com a vida o seu erro.
Pobre Bob, que nunca pretendeu machucar alguém mas agiu impetuosamente e agora pagaria atrás das grades pelo seu erro.


Afinal, o que você faz daquilo que fazem de você?

Um comentário:

  1. Emocionante.
    Lendo vivemos a cena...
    Parabéns mais uma vez Renata.

    ResponderExcluir